HISTÓRIA



Matéria: A História do NEU
Título: Conheça a história dos 20 anos do NEU

O NEU- Núcleo Espírita Universitário - é um grupo de estudos que tem por objetivo o estudo, discussão e divulgação das idéias kardecistas bem como desenvolver a ciência espírita. Entretanto, apesar do grupo adotar a ótica espírita, está aberto à discussão de outras teorias científicas que procurem explicar os fenômenos que o Espiritismo estuda. O NEU pretende através da metodologia científica, partindo da perspectiva que o espiritismo tem a respeito dos fenômenos que movimentam o ser em sua existência, estudar, comparar e discutir teorias e assim contribuir para essa nova visão da própria ciência em relação ao homem e ao mundo.

O NEU surgiu do 1º Seminário de Estudos Espíritas da Universidade Estadual de Londrina, organizado no primeiro semestre de 1984 por estudantes, professores e pessoas espíritas ligadas à Universidade. Desde seu surgimento em maio de 1984, o grupo tem se preocupado com o desenvolvimento do aspecto científico que a idéia espírita traz em suas teorias de explicação do processo da vida.

Em reunião informal, em residência de um professor universitário e dirigente espírita, jovens da Mocidade do Centro Espírita Nosso Lar preocupados com novos rumos para a difusão da doutrina espírita à comunidade, resolveram realizar o referido seminário para ampliar o espaço das idéias kardecistas além dos limites dos Centros Espíritas.

Esta realização pretendia dar origem a um grupo de estudo que além de servir de instrumento de divulgação, aprofundasse a discussão da doutrina enquanto ciência e filosofia para a comunidade universitária. Além disso, sabia-se que existiam muitos universitários espíritas vindos de outras regiões e que não possuíam nenhum referencial da doutrina em Londrina. Assim, o NEU surgia também como um meio de integração da comunidade universitária ao Movimento Espírita local.

A partir de então, todos os semestres o grupo passou a promover palestras e ciclos de estudos visando divulgar a doutrina kardecista e ampliar o grupo. Estes eventos sempre contaram com grande número de participantes. E, durante um bom tempo o NEU funcionou com reuniões metódicas de estudo do Livro dos Espíritos.

Com o tempo, o NEU tornou-se independente da estrutura do Centro Espírita Nosso Lar. E, atualmente, o grupo reúne-se todas as quintas das 12:15 às 13:15 hs na Biblioteca Central da Universidade Estadual de Londrina para estudar Allan Kardec e trocar artigos científicos, as terças das 12:15 às 13 horas na Capela Ecumenica.

Um dos fundadores do NEU, o professor Carlos Roberto Apolloni, ressalta que a idéia inicial era o surgimento de um grupo de pessoas, que se localizasse fisicamente dentro de uma universidade, e que estudasse as idéias espíritas sobre a vida. "Mas, não foi algo que surgiu assim de uma reflexão sobre o assunto. Aconteceu naturalmente entre as conversas de pessoas ligadas ao kardecismo e que também eram ligadas à universidade, como os próprios alunos" . Apolloni diz que, originalmente, o NEU foi criado com os objetivos de ser um grupo de estudos das idéias kardecistas e de promover eventos ligados a essa área. Entre esses eventos, destaca a vinda para Londrina de alguns dos pesquisadores mais importantes do Brasil e do mundo da doutrina espírita, como Barbara Ivanova, Padre François Brune e Clóvis Nunes "Esses eventos tiveram uma repercussão muito grande, porque não só pessoas da comunidade universitária, como também pessoas de fora do âmbito universitário participaram, ampliando o raio de conhecimento das atividades do NEU".

Segundo Apolloni, o NEU é uma referência dentro da universidade em relação à doutrina espírita. "Eu já perdi a conta de quantas pessoas, até de fora da UEL, me procuraram na universidade para pedir orientações sobre em que Centro Espírita ela deveria ir e como deveria resolver um problema através do espiritismo. Essas pessoas não tinham coragem de conversar com alguém. De repente, uma referência universitária acabou contribuindo para desinibi-las".

Um dos fatores que auxiliaram o NEU a se consolidar, segundo Apolloni, foi a aproximação dos pesquisadores da doutrina espírita, como por exemplo o professor Carlos Augusto Perandréa. "O NEU ajudou o professor Perandréa a publicar o seu artigo na Revista Semina e a desenvolver o término da pesquisa para publicação do seu livro (A Psicografia à Luz da Grafoscopia). Isso acabou gerando mais tarde a criação de dois dos departamentos do NEU, que tem por base os trabalhos do Prof. Perandréa (CIENPS) e de Mirian Perandréa Dorta, DEP (Departamento de Psicologia e Espiritismo)". Atualmente o DEP é coordenado pela Proª. Leila Baena Gonçalves, e continua recebendo o assessoramento da Profª; Miriam Perandréa Dorta.

"A criação do NEU não foi tão difícil quanto mantê-lo vivo. Sofremos boicotes muito chatos, sempre camuflados e nunca diretos, como a retirada de cartazes dos nossos eventos. Mas tudo foi superado", desabafa Apolloni com relação às tentativas de boicote dentro da comunidade universitária que o NEU sofreu. E , passada essa fase, destaca que o NEU foi o responsável pelo surgimento de todos os outros NEUs, que conseguiram produzir coisas que o NEU-LD ainda não havia conseguido fazer. "Para nós isso foi muito gratificante", destaca Apolloni.

Na sua opinião, o NEU, como toda e qualquer instituição filantrópica, precisa do esforço conjunto de muitas pessoas para a realização de qualquer coisa e destaca o fato do NEU já existir há 20 anos. "O que no Brasil dura 20 anos? Isso já é uma grande vitória do NEU".